Mitos e verdades sobre armazenamento de arquivos nas empresas

Onde você armazena os arquivos mais importante da sua empresa? Em um computador comum em sua rede, Dropbox, em um HD externo ou simplesmente em um servidor de arquivos?

Armazenamento de arquivos dentro das empresas é uma atividade cotidiana importante, seja para pequenas, médias ou grandes organizações. Existem grandes mitos em relação aos procedimentos para armazenamento de arquivos, quer seja aquela planilha de cálculo, uma apresentação em PowerPoint, aquele documento de texto importantíssimo. Assim cada empresa sabe muito bem quais sãos os arquivos relevantes que devem estar bem armazenados e protegidos.

Desta forma surgem os mitos, estes estão demonstrados abaixo de tal forma que vamos desmistificar cada um.

Devo ter um armazenamento centralizado ou distribuído?

Numa empresa pequena o ideal que seja um armazenamento centralizado em uma storage, pois facilita o gerenciamento e backup dos seus arquivos. Dentro de uma grande companhia, isto é para casos de grandes organizações, o ideal seria armazenar os arquivos em diversos servidores locais, porque colabora com o desempenho, também com o acesso aos arquivos. Para visualizar melhor a situação: Considere 600 usuários, acessando, simultaneamente, o mesmo arquivo de texto. Isso causaria uma lentidão na leitura do arquivo, então o ideal seria a empresa ter copias desses arquivos, espalhados em diversos servidores, o recurso Distributed File System (DFS) permite que isto se realize.  Sistema de Arquivos Distribuídos, em português, é um conjunto de serviços de cliente e servidor que permitem que uma organização que utiliza servidores Microsoft Windows organize muitos compartilhamentos de arquivos SMB distribuídos em um sistema de arquivos distribuídos. O recurso DFS surgiu no Windows NT, e utilizando até os dias de hoje, a cada versão do Windows Server lançada novos recursos são adicionados.

Sistema de arquivos distribuídos no Windows 2000 Server

É verdade que muitos arquivos armazenados no HD do servidor de arquivos podem deixar o servidor mais lento? Sim?! Não?!

Bom, a resposta para esta questão é: depende! A lentidão no servidor de arquivos pode ser causada por diversos fatores.

Exemplificando, um servidor de arquivos com HD de 500 GB e tem 400 GB ocupados, assim 100 GB de espaço livre não haverá problemas, porém se o mesmo possui apenas 5GB de espaço livre não permite o servidor um bom funcionamento. Neste caso, provável que nem o Windows consiga mover arquivos ou realizar suas tarefas mais corriqueiras, como executar cópias de sobra deste HD.

Devo armazenar tudo e não posso descarta nada?

Para responder esse mito, citarei o texto do diretor Tom Lahiff, da consultoria PricewaterhouseCoopers. Este discorre sobre mitos a respeito de manter ou descartar dados em empresas.

“Muitos dados estão desatualizados e nunca serão acessados. Eles acabam acumulando e dificilmente podem ser acessados de forma sistêmica. Para melhorar a gestão das informações, o melhor que se pode a fazer é livrar-se dos excessos, criando políticas efetivas.

Mas ainda hoje a maioria das organizações não possuem uma política estruturada para o descarte de informações. Esse contexto se dá porque muitos “mitos” ainda cercam a relação entre as empresas e seus dados. ”

Fonte: CIO

Baseado em todas essas dicas que lhe foram dadas, fica a pergunta para a empresa, em qual equipamento devo investir? Devo utilizar um servidor de arquivos ou uma storage?

Para casos de pequenas empresas, sinalizo para realmente pequenos negócios, um pequeno servidor de arquivos pode lhe atender muito bem, porém no caso de grandes empresas, ou até uma empresa de médio porte, o ideal que esta tenha uma storage, para prover os armazenamentos dos arquivos.

As vantagens em obter uma storage de “grife”, garante a tranquilidade, isso porque os equipamentos storage dispõe de alguns recursos de segurança para isso: controladoras redundante, fonte redundante e hot-swap. Outra vantagem é a centralização dos dados, o que facilita bastante a tarefa de backup. Por outro lado, é comum ver em pequenas empresas, que não possuem um storage, os arquivos armazenados em diversos servidores, como isso, fazer uma pesquisa a um arquivo, se torna uma tarefa bastante demorada, por não saber em qual servidor se encontra o arquivo.

Além disso, há as vulnerabilidades que um servidor de arquivos possa ter. Outra grande vantagem em possuir um storage consiste no uso da virtualização. Ao utilizar esta função, a exigência em ter um storage é quase unanime, pois permite que vantagens como alta disponibilidade e balanceamento de carga sejam proporcionadas pela virtualização.

A redução de custo se torna uma grande questão, sendo uma empresa de médio porte e tem condições para adquirir uma storage de “grife” fabricantes (Dell, Lenovo, IBM e HP) existem grandes vantagens ao adquirir este tipo de equipamento, pois trata de um hardware voltado para ao armazenamento e não um servidor com grande quantidade de discos. Por outro lado, também uma grande desvantagem, storage de “grife” possuem custo de manutenção elevado. Como uma simples substituição de alguma peça, que venha a se queimar pode ser caro. Outra desvantagem é a sua vida útil, com o passar dos anos, encontrar as peças de substituição pode se tornar uma tarefa difícil, pois cada ano surgem novos modelos de storage, que reduzem a fabricação de peças de substituição para versões anteriores. Há casos reais, onde um storage da Dell antigo, com uma das placas controladora do RAID, queimou e não encontrava no mercado uma nova controladora compatível para substituição, o que levou a empresa a ficar sem os dados armazenados nos discos da storage. Então ao comprar uma storage de “grife” deve ser considerado o alto custo de manutenção, além da vida útil da storage, pois com tempo será necessário adquirir uma nova storage. Isto é, o alto custo de manutenção da storage anterior não compensar mais, e o risco de perder os dados por falta de alguma peça defeituosa que não possua substituição. Também a complexidade que uma storage de “grife” tem para com a sua manutenção.

Cada storage de “grife” tem sistema operacional e console de gerenciamento próprios, o que pode complicar o gerenciamento para quem não está familiarizado com esse tipo de equipamento.

Para solucionar uma parte desse problema, grandes fabricantes como Dell e Lenovo, lhe permite escolher a opção de utilizar o sistema operacional da Microsoft, voltado para storage o Windows Storage Server 2016. Este está na sua versão 2016 disponibilizado como Windows Storage Server 2016 Standard e Windows Storage Server 2016 Workgroup.

Windows Storage Server 2016 não está disponível para venda ao público em geral — ele está incluído em oferta integrada de hardware, ou como uma atualização de campo disponível do fabricante do seu hardware.

Mas aí que vem o pulo do gato, todos os recursos do Windows Storage Server 2016 estão disponíveis na versão Windows Server 2016 Standard ou Datacenter. Então para empresas de pequeno a médio porte, é possível montar um servidor com papel de storage, possuindo todos os recursos que uma storage de “grifes” possuem, mas com preço reduzido. Assim, são possíveis recursos como ter fonte redundante, hot-swap e também troca de discos danificados também com hot-swap, além de toda escalabilidade que um servidor pode proporcionar.

Para montar o servidor storage, é importante considerar a finalidade: será utilizado para armazenamento de banco de dados ou simplesmente armazenar arquivos diversos. Para cada cenário, será necessária uma configuração de hardware diferente para a montagem do seu servidor storage.

Um recurso bem utilizado na configuração do seu servidor storage com Windows Server 2016 será o pool de armazenamento, recurso introduzido no Windows Server 2012.

O pool de armazenamento (storage pool) é um bolo de discos agrupados, sendo eles HDD (unidade de disco rígido), SATA/SAS SSD (unidade de estado sólido) e também NVMe (Non-Volatile Memory Express). Dessa “mistura de discos”, é possível criar os volumes que serão utilizados para armazenamentos dos dados, sistema similar ao gerenciamento pelos storage das “grandes marcas”, onde primeiro cria-se um pool de armazenamento e depois crias volumes neste.

Windows Server 2012 Storage Virtualization Concept

 

Veja logo abaixo algumas janelas do Pool de Armazenamento no Windows Server 2016. Como é fácil visualizar toda as configurações do Pool de Armazenamento.

Console do Pool de Armazenamento no Windows Server 2016
Console do Pool de Armazenamento no Windows Server 2016
Janela de configuração dos discos físicos do pool de armazenamento
Janela de configuração dos discos físicos do pool de armazenamento

Para criação dos volumes virtuais é possível escolher entre três tipos de layout: Simple, Mirror e Parity.

No Simple os dados estão distribuídos entre discos físicos, maximizando a capacidade e aumentando a taxa de transferência, porém diminuindo a confiabilidade. O layout de armazenamento requer, pelo menos, um disco e não protege contra falhas de discos.

Já no Mirror, os dados são distribuídos entre discos físicos, criando-se duas ou três cópias dos dados, o que aumenta a confiabilidade mas reduz a capacidade. Para proteger-se contra uma única falha de disco, é necessário usar pelo menos dois discos (três se estiver usando um cluster); para proteger-se contra duas falhas de disco, será necessário que use pelo menos cinco discos.

Finalmente o Parity, os dados e as informações de paridade são distribuídos entre discos físicos, o que aumenta a confiabilidade, mas reduz um pouco a capacidade e o desempenho. Para proteger-se contra uma única falha de disco, é necessário usar pelo menos três discos; para proteger-se contra duas falhas de disco, aconselho que use pelo menos sete discos.

Janela de configuração de Layout - Pool de Armazenamento
Janela de configuração de Layout – Pool de Armazenamento

Na criação dos volumes podemos utilizar dois tipos de sistemas de arquivos NTFS, um formato bastante utilizando no mundo, e também o mais novo ReFS, que é ideal para armazenamento de arquivos VHD e VHDX, que são arquivos de discos de máquinas virtuais, utilizado no Hyper-V.

O ReFS acelerado VHDX operações (que também trabalham com VHD) é um recurso novo bem interessante do Windows Server 2016.

Mais rápida criação e cópia de arquivos VHDX

Para saber mais sobre esse formato do sistema de arquivos acesse o link: https://msdn.microsoft.com/pt-br/library/hh831724(v=ws.11).aspx

Depois de criados os volumes, pode se conectar o pool de armazenamento em seu ambiente, igualmente a uma storage das “grandes marcas”, utilizando iSCSI, FibreChannel, SMB e NFS.

Janela de criação de conexão iSCSI no Windows Server 2016
Janela de criação de conexão iSCSI no Windows Server 2016

Agora algumas caraterísticas notáveis ao utilizar o Windows Server 2016 como storage.

1. Eliminação de duplicação de dados

 Suporta até 64 TB de tamanhos e tamanhos de arquivos individuais suporta até 1TB.

Realiza eliminação de duplicação de dados, varredura no disco a procura de arquivos duplicados, eliminados, aumentado o espaço de armazenamento.

Para saber mais sobre Eliminação de duplicação de dados acesse o link: https://technet.microsoft.com/pt-br/library/hh831602(v=ws.11).aspx

2. Qualidade do serviço de armazenamento

 É possível utilizar a qualidade do armazenamento de serviço (QoS) para monitorar o desempenho de armazenamento e criar diretivas usando o Hyper-V no Windows Server 2016 centralmente. Criar políticas de QoS de armazenamento e atribuí-las a um ou mais discos virtuais em máquinas virtuais de Hyper-V. Desempenho do armazenamento é reajustado automaticamente para atender a condições como a carga de armazenamento.

3. Suporte NVDIMM

Windows Server 2016 permite o uso de dispositivos de memória persistente, sob a forma de NVDIMM-N. Estes fornecem um meio de armazenamento persistente com velocidades perto de DRAM e residem sobre o barramento de memória, reduzindo significativamente as latências de I/O. Através de aprimoramentos no NTFS, Windows Server 2016 é capaz de conceder acesso direto (DAX) de aplicações para os intervalos de bytes de um NVDIMM e desbloquear totalmente o potencial desta tecnologia.

Windows Server 2016 tem muitas melhorias e oferece uma suíte completa de armazenamento e funcionalidade de gerenciamento de armazenamento para manter seus arquivos altamente disponível e seguro.

Então, para fazer um projeto de armazenamento de dados para uma empresa, pondere sobre a aquisição de uma storage das “grandes marcas” ou uma storage montado, utilizando o Windows Server 2016 como sistema operacional.

Quer saber como montar uma storage para sua empresa, utilizando o Windows Server 2016, veja o vídeo abaixo. No vídeo será demostrado também como cria um Pool de Armazenamento, habilitar a eliminação de duplicação de dados e conectar o Pool de Armazenamento utilizando iSCSI, com isso resulta um storage “montado”, que propiciará um armazenamento seguro, escalável.

Você também receberá um brinde: um script criação do Pool de Armazenamento no Powershell, com um documento explicando o passo a passo da execução do script. Para baixar, clique aqui.

No mais, muito obrigado pela sua atenção, continue prestigiando o meu trabalho, compartilhando os meus vídeos, meus artigos, assim você poderá ajudar também, cada vez mais pessoas, e também ajudar a comunidade em tecnologia da informação crescer.

Att.

 

 

 

  • Leandro Fernandes

    Na minha humilde opinião, não se justifica tamanha engenharia e investimento para armazenar “aquela planilha de cálculo, uma apresentação em PowerPoint, aquele documento de texto importantíssimo”. Uma solução bastante viável e altamente disponível é o uso de serviços na “Nuvem”, como por exemplo: Office 365, G Suite e etc…

    • Gabriel Luiz

      Boa noite Leandro Fernandes.

      Obrigado pelo seu comentário.

      Quando eu me referir no meu artigo as frase: “aquela planilha de cálculo, uma apresentação em PowerPoint, aquele documento de texto importantíssimo”, quis dizer que você pode utilizar a tecnologia de pool de armazenamento, para armazenar qualquer tipo de extensão de arquivos, backup de dados é uma utilização aonde essa tecnologia encaixa muito bem, foi só uma maneira de generalizar a utilização da tecnologia.

      Acho que justifica sim a utilização do pool de armazenamento, porque garante a segurança do dados armazenados, além da escalabilidade e também redução de custo, por utilizar diversos tipos de tecnologias de discos, para formação do pool de armazenamento.

      Att.
      Gabriel Luiz