Lançado o OpenSuse 12.3!

Oi pessoal, acabou de sair do forno a versão 12.3 do OpenSuse e quero compartilhar com vocês algumas das melhorias que esta versão trará. Quem curte baixar as RCs para testar (como eu), já percebeu que além do tradicional “tempero verde” da distribuição, temos muitas novidades na estrutura de inicialização, no gerenciamento de pacotes, nas Window Managers (KDE, Gnome, Xfce, awesome, Sawfish e Enlightenment 17) e a inclusão de ferramentas para trabalhar com nuvem, é a primeira versão do OpenSuse com esse ambiente.

Hoje, por volta das 11h, a versão foi liberada, alguns entusiastas da distro acompanharam a contagem regressiva nas redes sociais.

counter.opensuse.org

Como já se esperava, foi dada uma atenção maior aos detalhes, já que este foi o ciclo de lançamento mais curto da distribuição.

Retoque

openSUSE 12.3 concluiu a integração de systemd e proporciona uma melhor experiência de log do sistema com journald. O Gerenciamento de pacotes recebeu atenção especial para deixar as ferramentas gráficas trabalharem de forma mais confiável e um novo tema também traz uma experiência consistente de boot para desktop. O openSUSE mudou-se o tamanho de 1 GB para nossas Live images e a plataforma ARM fornece uma estável versao do openSUSE 12.3 para ARMv7 para esta arquitetura excitante enquanto um primeiro preview de imagens ARM 64bit também está disponível.

Polindo

Os últimos desktops trazem um polimento adicional para os usuários com muito manuseamento rápido metadados, novo gerenciamento de impressão e melhor integração do bluetooth e do KDE Plasma Desktop, GNOME Shell com suas notificações, uma melhor gestão de arquivos e conta também com a integração para o MS Exchange.

Características inovadoras

openSUSE 12.3 traz novas tecnologias para usuários como a inclusão de PostgreSQL 9.2 que vem com suporte nativo JSON (estilo NoSQL). O MariaDB tornou-se o padrão ao invés do MySQL. Esta é a primeira versão do openSUSE com OpenStack um completo “Folsom” para os fãs de nuvem e esta estreiando o lançamento do E17 como desktop e gerenciadores de janelas impressionantes.

Avançando

openSUSE avança com a inclusão de aplicativos atualizados. DigiKam 3.0 vem com capacidades muito expandidos para processamento em lote de imagens e novos filtros e melhorias com plugins; as principais aplicações PIM receberam atualizações com a evolução, uma pasta de pesquisa automaticamente atualizada e verificação ortográfica, um filtro rápido do Kontact pesquisa os conteúdos de e-mail e tem um editor melhorado. As ferramentas de desenvolvimento como o KDevelop, MonoDevelop e Valgrind tem apoio Android preliminar; bibliotecas de desenvolvimento, como GTK3 e plataforma de desenvolvimento do KDE estão incluídos com o novo lançamento. Esta versão também traz suporte adequado a UEFI para hardware x86_64 e experimental suporte para hardware Secure Boot habilitado.

Para os usuários

No KDE temos melhorias no KWin, na gestão de impressoras e finalmente um gerenciador de atualizações (apper 0.8) mais robusto e confiável. No Gnome houve uma melhora na bandeja de notificações e no layout do Nautilus. No Xfce o gerenciador de arquivos agora vem com abas, foram incluídos na versão 12.3 o Sawfish e o awesome como mais duas opções de gerenciadores de janela.

Para os admins

Temos melhorias na área de virtualização graças as atualizações do Virtualbox, KVM e QEMU. Como já comentado a cima, o MariaDB tornou-se o padrão no lugar do MySQL e o mais esperado, a inclusão de pacotes completos para o OpenStack (plataforma de computação em nuvem).

Aqui estão algumas das novidades, mais informações podem ser encontradas em: http://en.opensuse.org/Release_announcement

O link para download do openSuse 12.3 é esse aqui: http://software.opensuse.org/123/en

Para aqueles que estiverem na versão 12.2, é possível fazer um upgrade para a 12.3 seguindo o post que escrevi Upgrade OpenSUSE 11.0 -> 11.1 basta mudar o número da versão ao executar os comandos.

OpenSUSE

  • marco aurelio

    Carol, quero saber se o sistema de instalaçao de pacotes YAST ainda está chato de usar, no que diz respeito de carregar as listas toda vez que vai instalar um pacote, mesmo sendo um pacote instalado logo após o outro, ele pedia carregamento das listas de repo… e, nao maioria das instalaçoes ele pedia para corrigir problemas passando varias perguntas para o usuario, coisa que me deixava irado pois eu nao sabia responder as resoluçoes de depencias sei la o que ele pedia… eu queria usar opensuse, mas o yast me deixou maluco…

    • Oi Marco Aurelio,
      Nas versões da família 12.x esse problema do Yast diminuiu bastante, só tenho “problemas” assim quando vou instalar os codecs-kde de audio e video, mas nada complicado, ele realmente fica perguntando sobre como resolver algumas dependências, mas é bem simples de resolver. O apper até a versão 12.2 (que estou utilizando) melhorou pouquíssimo, ainda dá muitos problemas de dependência, mas acredito que na versão 12.3 esteja melhor, pelo menos foi o que os desenvolvedores prometeram, eu confesso que não uso quase, mas vou testar novamente na 12.3.
      O que posso te garantir é que o Yast está realmente mais robusto, nas mais de 20 estações que tenho aqui com versões entre 12.1 e 12.2 64 bits não tenho mais problemas como os que aconteciam antigamente.

      Recomento fortemente o uso do openSUSE, vale a pena!

      Abraços e se tiver alguma dificuldade manda que eu tento te ajudar.

  • Testei o SAMBA4 no OpenSuse, e gostei muito, em matéria de praticidade dá 10×0 Debian/Ubuntu, mas não tem jeito sou muito fã do Debian…rsrs Mas o OpenSuse está sendo minha segunda distribuição preferida. Abs

    • Sempre trabalhei com a família RPM (Red Hat, Fedora, CentOS, OpenSuse…) e aprendi a gostar mesmo sendo muito fã de Debian.
      Acho que em ambas as distros (não incluo aqui o Ubuntu, não acho adequado para isso) podem ser ótimos servidores. Também uso o OpenSuse como estação de trabalho e gosto muito do desempenho.
      A versão 12.3 está muito rápida e com um layout bem legal, atualizei ontem mesmo meu desktop do trabalho e gostei muito.

      Abraços.

  • No caso eu quis dizer, Debian e Ubuntu Server.

    Abs

    • Eu imaginei que estivesse falando da versão server do Ubuntu. 🙂
      Mesmo ela, não sou fã, ainda prefiro o Debian e o OpenSuse, o Ubuntu em servidores infelizmente não me inspira muita confiança.

      • Hum, gostaria de saber saber o porque, eu já utilizei o Ubuntu Server sempre a versão LTS, mas em poucas empresas, nunca tive problemas, mas é sempre bom saber as experiências que outros profissionais tiveram, assim evitamos que aconteça com a gente…rsrs.
        Eu vou adotar o OpenSUSE nos meus servidores SAMBA 4, pois é muito mais produtivo e prático, no Ubuntu Server e Debian tem que mexer em muitas configurações para fazer a mesma coisa.

        Obrigado pelas respostas, é de grande ajuda para os profissionais do nosso ramo. Abs

        • Eu acredito que o Ubuntu conseguiu alcançar o espaço e dimensão que tem hoje, graças a nós usuário/desenvolvedores/administradores que apoiamos e levamos o seu nome ao pico das distros mais usadas e consequentemente bem testadas. Mas não me animo a colocá-la em servidores, acho que o openSUSE e o Debian já atendem o suficiente e o Ubuntu, na minha opinião, é apenas uma vertente de um sistema limpo e bem estruturado que é o Debian, assim como o Knoppix, o Coyote e muitas outras “distros filhas”. O Ubuntu tem tudo que um distro desktop precisa para ganhar os usuários, nesse caso tenho que admitir que nesse quesito é pra tirar o chapéu, fora ela acho q só Mint chega a esse nível, o openSUSE evoluiu muito e eu a uso em estações no trabalho e até em casa, mas não é ainda (falta pouco) o ideal para uma migração de SO (Windows -> Linux) de uma empresa. Enfim, creio que cada um tem seu ponto forte e tento tirar o melhor proveito disso. 😉

          Espero ter ajudado e obrigada a você, foi um ótimo debate!

  • vitor

    Um detalhe importante para os leitores do site. A distro roda perfeitamente virtualizada no Hyper v server 2012!