Cluster de máquinas virtuais sobre compartilhamento de pasta SMB 3.0

Vida longa e próspera pessoal, hoje venho falar de uma incrível inovação que o Windows Server 2012 trouxe, que é a possibilidade de se montar um cluster de máquinas virtuais sem a necessidade de um storage tradicional (ISCSI ou Fiber Channel).

Primeiro, vamos analisar como era o modelo de HOST´s + STORAGE no Windows 2008 R2:

clip_image002

Com esse modelo, era necessário um storage Fiber Channel ou ISCSI para que os dois HOST´s tivessem acesso aos dados para armazenamento das máquinas virtuais. E através do CSV (cluster shared volumes) os dois HOST´s tem acesso às informações ao mesmo tempo, sem necessidade de criação de diversas LUN.

Porém, agora com o Windows Server 2012, surgiu uma nova opção (você ainda pode trabalhar com storages tradicionais), que é a possibilidade de se ter o armazenamento das máquinas virtuais em simples compartilhamentos de pastas de um servidor. Essa opção só se tornou possível com o novo protocolo SMB (server message block), que no Windows Server 2012 está na versão 3.0.

Vamos analisar a ilustração do novo modelo:

clip_image004

Observem que na figura acima temos 3 servidores com o Windows Server 2012. Dois trabalhando como HOST´s de virtualização e um como servidor de armazenamento. Esse modelo apresenta custo baixo em comparação à adoção de storage tradicional e também diminui o nível de complexidade da solução por completo. É muito mais fácil prover manutenção em um servidor Windows do que em um storage ISCSI ou Fiber Channel (que requerem profissional especializado).

Importante lembrar que não estou declarando o fim dos storage tradicionais, mas sim o nascimento de uma nova opção, principalmente para empresas de pequeno ou médio porte. O SMB 3.0 pode trazer diversas vantagens para a sua estratégia de armazenamento, inclusive somando forças com storage tradicionais.

Uma pergunta que com certeza devem estar querendo fazer é: E a performance disso?

Bom, o protocolo SMB 3.0 é simples de se utilizar (na verdade é nativo no Windows Server 2012, você não precisa habilitar nada), mas não subestime o poder de transferência que ele pode oferecer.

Por exemplo, nesse mesmo cenário acima, eu poderia definir uma estratégia de balanceamento com várias placas de rede em TIMES (agrupamentos de interfaces de redes, disponível no Windows Server 2012):

clip_image006

Essa configuração é totalmente suportada pelo SMB 3.0 e facilmente efetuada através do gerenciador do servidor no Windows Server 2012. E essa é somente uma das vantagens que comentei sobre o SMB 3.0. Para saber todas, sugiro o site: http://support.microsoft.com/kb/2709568/en-us?fr=1

A solução que desenhei acima suporta todos os recursos de um cluster de máquinas virtuais: Live Migration simultâneo, Réplica entre clusters, Fail Over automático, etc. Não existe limitação ou diferença. E a performance fica ao seus cuidados. Quanto mais investir, mais terá!

Por exemplo, poderia colocar neste mesmo servidor vários discos em um Pool de discos (técnica de agrupamento de discos presente no Windows Server 2012) e apresentar um volume em Simples, em Paridade ou Espelhado para o cluster:

clip_image008

No exemplo acima eu utilizei o recurso de Pool de Discos e criei um volume em paridade com 3 discos. Esse volume pode ser apresentado ao cluster para armazentamento de máquinas virtuais.

Vídeo demonstração:

Conclusão final:

Como falei anteriormente, não é o fim dos storages tradicionais. Muito pelo contrário, o SMB 3.0 traz excelente vantagens par ao uso em conjunto com soluções de SAN e NAS disponíveis no mercado. O que eu apresentei é uma nova opção para criar o seu cluster de máquinas virtuais. Para pequenas e médias empresas os modelos que ilustrei aqui podem representar uma redução de custos de até 70% em relação à uma solução tradicional de armazenamento para a criação de um cluster de máquinas virtuais.

Espero que tenham gostado, até o próximo post da Windows Server League!

Para mais informações sobre o Windows Server 2012, clique aqui.

clip_image010